quarta-feira, fevereiro 03, 2010

Viver de sobras

Quando se vive de sobras não se exige, fica-se de olhos abertos com ar de cachorro esperando que atirem os restos do fausto repasto.
Viver de sobras retira a dignidade, mas preenche temporariamente os vazios que ao longo dos dias foram crescendo.
Viver de sobras é viver à margem da sociedade, enclausurados num mundo cada dia mais consumista.
Viver de sobras é esconder as lágrimas que caem, os soluços inaudíveis, as palavras por dizer.
Viver de sobras é sobreviver.
Renasço vivendo a plenitude dos dias! Sem sobras.

4 comentários:

zef disse...

"Sem sobras", é isso. E seja possível que se rejeitem as sobras todas de todos, mesmo que seja preciso batermo-nos...
Um abraço

alecerosana disse...

Um abraço Zef :)

arabica disse...

Ninguém deveria viver de sobras.
Ninguem deveria parecer um cachorro.
Ou sentir-se um cachorro, abandonado à rua e à mercê das sobras.

Um abraço, Alece.

Anónimo disse...

Arábica ninguém!

Abraço,

alece