segunda-feira, novembro 29, 2010

Poesia

Não posso adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob as montanhas cinzentas
e montanhas cinzentas

Não posso adiar este braço
que é uma arma de dois gumes amor e ódio

Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração.

António Ramos Rosa

7 comentários:

Uma PROFESSORA apaixonada.... disse...

Ando ultimamente respirando poesia, tanto que será o título do sarau que meus alunos apresentarão: Respirando poesia.
Acho que por gostar tanto desse gênero acabei transmitindo esse amor para meus pequenos....
Beijos,
Lu

alecerosana disse...

Este Poema é de um grande poeta ainda vivo. Sorte a dos seus alunos por terem a oportunidade de "Respirar Poesia"!
:))

Beijo

biian souza. disse...

*---*

Gosta de ler?
www.biiansouza.blogspot.com

Sua opinião e sugestões são muito importantes.

Desde já agradeço.

alecerosana disse...

Obrigada pela visita, biian!

Processo disse...

Foi com surpresa e alegria que encontrei seu blogue. Como é bom encontrar quem gosta de poesia. Convido-a a ouvir/ver boa música, dança e literatura brasileiras.
Vasconcellos Rego

Eliane F.C.Lima disse...

A literatura é a minha vida, por isso a reconheço a quilômetros. Vim aqui e gostei.
Eliane F.C.Lima (http://poemavida.blogspot.com

alecerosana disse...

Obrigada!!